Fobias é um medo intenso a alguma coisa ou situação.

E todas as pessoas em alguma altura das suas vidas e por um determinado período de tempo já teve esse tipo de medo. No entanto, quando uma pessoa tem um medo persistente e irracional perante uma coisa ou situação e uma vontade imensa de a evitar então isso pode ser uma fobia.

As fobias mais frequentes são a animais e insetos, e a elementos naturais como as descritas anteriormente.

A pessoa com fobia pode ter desde uma ansiedade moderada até ataques de pânico quando é confrontada ou imagina encontrar-se perante a situação ou coisa temida. Contudo o medo não é ter os sintomas, como acontece na Perturbação de Pânico ou na Agorafobia, o medo é perante a situação ou coisa que acredita que é perigosa.

Algumas pessoas com fobias sentem medo de perder os sentidos ou de fazer alguma coisa disparatada. Por exemplo, têm medo de quando sobem o Cristo Rei percam o sentido de equilíbrio e que se precipitem.

Outras pessoas com fobias sentem medo que possa acontecer alguma coisa errada em determinada circunstância. Por exemplo, uma pessoa com medo de ar de avião, pode imaginar todos os cenários aterradores que levam ao despenho no aparelho.


As fobias desafiam o pensamento racional.


A maioria das pessoas com fobias sabe que está a ser excessiva no seu medo e que os pensamentos são muito pouco razoáveis, mas no entanto esta racionalidade de nada serve.

Os pensamentos nas fobias surgem automaticamente e a solução que o cérebro dá a este problema é o evitamento da situação que gera fobias.


As fobias são aprendizagens que o cérebro fez em alguma fase da vida.


Aprendizagens de estímulos que se emparelham com outros estímulos e que originam uma ancoragem entre um sentimento intenso de medo e um estímulo que é visto ou ouvido.

Ok, este bla bla bla psicológico não explica nada. Na realidade você não precisa de perceber o porquê que o seu cérebro tem fobias a coisas ou situações.

Hoje, a terapia para as fobias é rápida e eficaz.

O processo é indolor, tranquilo e faseado. Por vezes, uma única sessão é a suficiente para que o seu cérebro aprenda a fazer uma ligação diferente e dê uma resposta diferente.

O cérebro tem a mesma capacidade para aprender a ter fobias e para aprender a não as ter.